Pandemia da Covid-19 reduz em 28% a quantidade de exames de diagnóstico de câncer de mama no Brasil

peixe-post-madeirao

Pandemia da Covid-19 reduz em 28% a quantidade de exames de diagnóstico de câncer de mama no Brasil

peixe-post-madeirao
autoexame_cancer_de_mama
O Sistema Único de Saúde (SUS) apresentou, em 2020, uma redução no número de procedimentos de diagnóstico de câncer de mama, segundo o levantamento baseado em dados do DATASUS, desenvolvido pelo Instituto Avon em parceria com a organização de jornalismo de dados Gênero e Número. De acordo com o estudo realizado com o objetivo de mensurar o impacto da pandemia da Covid-19 no tratamento e diagnóstico do câncer de mama, o Brasil contabilizou 473 mil procedimentos de diagnóstico de câncer de mama a menos que em 2019 – o que representa uma queda de 28%.

O levantamento demonstra que o isolamento social, necessário para controlar a disseminação do coronavírus, afetou profundamente a rotina de rastreio do câncer de mama – o tipo de câncer mais diagnosticado no mundo e o segundo mais diagnosticado no Brasil. Em 2019, o Sistema Único de Saúde realizou 1,7 milhão de procedimentos de diagnóstico de câncer de mama no Brasil como, por exemplo, biópsias da mama. Em 2020, esse número caiu para 1,2 milhão. A quantidade de mamografias realizadas no primeiro ano da pandemia também apresentou um volume menor, com 1,8 milhão de exames em comparação aos 3 milhões realizados no ano anterior – gerando uma redução de 40% no total de procedimentos.

O Instituto Avon, organização não-governamental que atua na defesa de direitos fundamentais das mulheres, por meio de ações e iniciativas na atenção ao câncer de mama e no enfrentamento as violências contra mulheres e meninas, reforça a importância do acompanhamento de rotina, isto é, a realização de exames periódicos na ausência de sintomas ou indícios, tendo em vista que as chances de cura quando o diagnóstico do câncer de mama é precoce são muito maiores.

“Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), estimam-se que surjam 66.280 novos casos de câncer de mama no país, anualmente, para o triênio 2020, 2021 e 2022. É de extrema urgência que as mulheres façam seus exames de rotina e sigam com o acompanhamento médico anual. Quando diagnosticado precocemente, as chances de cura para o câncer de mama são mais elevadas e há opções de tratamentos que podem ser avaliadas com a equipe multidisciplinar que deve acompanhar a paciente e sua família. Homens e mulheres precisam ser conscientizados sobre fatores de risco, sinais, o que fazer e os direitos das mulheres em relação à doença”, explica Daniela Grelin, Diretora Executiva do Instituto Avon.

Recursos para diagnóstico também sofrem alterações

Os recursos destinados ao diagnóstico do câncer de mama também sofreram alterações significativas no mesmo período. De acordo com o levantamento, houve uma redução orçamentária de 26% para o diagnóstico da doença, que passou de R$ 49 milhões no ano de 2019, para R$ 36,5 milhões em 2020.

O Instituto Avon é uma organização não-governamental que se dedica a salvar vidas por meio de ações e iniciativas em prol da detecção precoce do câncer de mama e do enfrentamento das violências contra as mulheres e meninas no Brasil. Desde 2003, tem como missão fortalecer a saúde, a proteção e o empoderamento da mulher. Para isso, conta com a parceria de instituições da sociedade civil, do setor privado e do poder público, atuando na produção de conhecimento, articulação e desenvolvimento de projetos e no apoio de iniciativas de impacto transformador e que busquem o engajamento de todos os setores da sociedade para o avanço das causas. Como braço de investimento social da Avon, empresa privada que investiu mais de R$ 170 milhões em ações sociais voltadas às mulheres no Brasil, o Instituto já apoiou a realização de mais de 350 projetos e ações, beneficiando mais de 6 milhões de mulheres em todo o País.

A Gênero e Número é uma empresa social que produz e distribui jornalismo orientado por dados e análises sobre questões urgentes de gênero e raça, visando qualificar debates rumo à equidade. Nosso trabalho é realizado a partir de linguagem gráfica, conteúdo audiovisual, pesquisas, relatórios e reportagens multimídia. Diversidade e transparência são valores que também regem o trabalho da Gênero e Número. A organização conta com uma equipe diversa e multidisciplinar que trabalha nos campos da pesquisa, ciência de dados e jornalismo, para aprofundar temas relacionados às agendas da equidade racial e de gênero. A partir de dados e de vozes legítimas, a Gênero e Número produz conteúdos para servir de referência a pessoas e organizações comprometidas com o diálogo amplo que a democracia pressupõe.