Pacientes de câncer e famílias têm medo dobrado com busca por tratamento na pandemia

peixe-post-madeirao

Pacientes de câncer e famílias têm medo dobrado com busca por tratamento na pandemia

peixe-post-madeirao
img_8016

No Dia Mundial de Luta Contra o Câncer confira relatos de desafios enfrentados em busca da cura. Segundo ONG, muitos ainda precisam buscar tratamento fora do estado. Pacientes de câncer e famílias têm medo dobrado com busca por tratamento na pandemia

O Dia Mundial de Luta Contra o Câncer, celebrado nesta quinta-feira (8), lembra a população sobre os desafios enfrentados por pacientes com a doença. No Amapá, muitos precisam buscar tratamento fora do estado e com o início da pandemia a batalha ficou ainda pior.

Segundo o Ministério da Saúde, o índice de cura entre crianças e adolescentes em 2019 era de 30% na região Norte. De acordo com a ONG Carlos Daniel, que presta apoio a pacientes infanto-juvenis com câncer, a falta de diagnóstico no estado é um dos fatores que dificultam um “final feliz”.

“O Amapá dificilmente faz o diagnóstico, é muito complicado. A maioria das crianças sai com um pré-diagnóstico, e aí quando ele vai para outro estado que ele vai saber qual o tipo de câncer. Às vezes os outros estados descartam os exames feitos no Amapá”, disse Agenilson Silva, presidente da ONG.

A paciente da Unidade de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon) do Hospital de Clínicas Dr. Alberto Lima (Hcal), Larissa Carvalho, viveu na pele o desafio de conciliar o tratamento da leucemia com o da Covid-19. Agora, ela espera uma cirurgia em São Paulo.

“Faço tratamento há mais de um ano e meio contra a leucemia mieloide aguda. Durante o meu processo de quimioterapia eu contraí a Covid-19 e tive que ficar isolada durante 17 dias em casa. Esperei passar os sintomas para poder fazer quimioterapia e estou esperando uma vaga em São Paulo para fazer o transplante de medula óssea”, detalhou.

A Oriane Pinheiro, mãe de um adolescente, amapaense, de 13 anos, que realiza tratamento contra o câncer em São Paulo, relatou a luta para que o filho, que já tinha perdido 15 quilos, conseguisse a transferência para realizar o tratamento no Sudeste.

“Recebemos o diagnóstico no final de 2020 em meio à pandemia e foi muito díficil conseguir a transferência. Nos ficamos aguardando a transferência para Belém, que nunca chegou, e meu filho perdendo peso e definhando a cada dia. Mas com apoio da ONG, conseguimos essa transferência no dia 25 de dezembro do ano passado”, contou.

Para Agenilson, a solução para a melhora do atendimento de pacientes com câncer no Amapá é o investimento em políticas públicas de informação, diagnóstico e tratamento.

“O Amapá não tem diagnóstico, não tem políticas públicas de informação, não tem oncopediatra e não tem um tratamento. Por isso todas as nossas crianças que precisam de tratamento contra o câncer tem que sair daqui”, pontuou.

ONG Carlos Daniel

A ONG Carlos Daniel existe há 6 anos, criada por Agenilson Silva depois que o filho foi diagnosticado com câncer. Mesmo com a morte de Carlos Daniel, o trabalho continuou.
A iniciativa auxilia famílias de crianças e adolescentes com câncer e oferece apoio administrativo, jurídico, logístico e assistência para que os pacientes consigam tratamento gratuito fora do estado.

Atualmente, 30 pacientes estão cadastrados na ONG, fazendo tratamento em São Paulo e no Pará.

Fonte: G1 Amapá