Mais de 35 servidores de hospital de Rondônia recebem doses de vacinas diferentes contra a Covid

peixe-post-madeirao

Mais de 35 servidores de hospital de Rondônia recebem doses de vacinas diferentes contra a Covid

peixe-post-madeirao
São Paulo - Vacinação contra covid-19 aos profissionais da saúde do Hospital das Clínicas, no Centro de Convenções Rebouças.

Os funcionários do Hospital Infantil Cosme Damião, em Porto Velho, denunciaram nesta terça-feira (23), que 35  servidores da saúde foram vacinados com doses de vacinas diferentes contra a Covid-19.

De acordo com os servidores, os profissionais da saúde receberam doses da vacina Oxford Astrazeneca.

Segundo os profissionais, na última segunda-feira (22) foi agendado a vacinação interna na unidade, para os profissionais de saúde. No local de vacina ocorreu desorganização na hora de aplicar as doses dos imunizantes.

Um profissional de saúde informou que dois servidores teriam sidos enviados ao hospital, sendo um para aplicar a primeira dose de AstraZeneca (em funcionários que ainda não tinham sido imunizados), e outro para aplicar a segunda dose de CoronaVac (para aqueles que tomaram a primeira dose em janeiro).

Outro profissional de saúde que foi imunizado de forma incorreta, contou que os vacinadores não teriam sido orientados e nem se atentaram ao frasco, aplicando assim o imunizante trocado em em 35 profissionais.

Imagens dos comprovantes de imunização, que foram realizadas pelos profissionais da saúde, apontam que a numeração dos lotes de vacinas aplicados nos servidores são diferentes. Segundo os servidores, o lote de n° 2010040 é da vacina CoronaVac e o lote de n° 4120Z005 é da Oxford Astrazeneca.

Comprovante de vacinação indica que n° de lotes aplicados são diferentes, segundo servidores da saúde de Rondônia/ Foto: Divulgação

Por meio de nota, a assessoria de imprensa do governo de Rondônia informou que a Secretaria de Saúde do estado já está investigando as denúncias sobre aplicação de “tipos de vacinas diferentes em profissionais da Saúde que atuam na linha de frente no Hospital Infantil Cosme e Damião”.

A nota também informou que a aplicação dos imunizantes é de responsabilidade das prefeituras e cabe aos municípios realizarem os treinamentos.

A a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) também ressaltou que investiga o caso. “O Ministério da Saúde já foi comunicado. Por fim, a Semusa reitera seu compromisso em trabalhar com celeridade e transferência para elucidar os fatos, com respeito aos profissionais envolvidos, bem como com a população de Porto Velho”, explica a nota.

Fonte: SGC