Três suspeitos de matar funcionário em fazenda são procurados pela polícia de RO

peixe-post-madeirao

Três suspeitos de matar funcionário em fazenda são procurados pela polícia de RO

peixe-post-madeirao
Três suspeitos de matar funcionário em fazenda são procurados pela polícia de RO

Crime ocorreu em fazenda de Machadinho D’Oeste em julho deste ano. Polícia pede ajuda para localizar os suspeitos. Suspeitos de homicídio na fazenda Jatobá são procurados em Rondônia
PC-RO/Divulgação
A Polícia Civil divulgou, nesta terça-feira (14), fotos de três suspeitos de envolvimento em um homicídio ocorrido na fazenda Jatobá em Machadinho D’Oeste. O crime foi em julho deste ano.
Os procurados pelo assassinato de são :

Adeildo Gonçalves Calheiros, conhecido como ‘Delegado’
Mario Dornellas da Costa Junior, o ‘Doidão’
e Marcos Dione de Jesus Cruz, o Flecha
Segundo apontou a investigação da Civil, no dia 24 de julho quatro suspeitos fizeram uma emboscada e, fortemente armados, atiraram várias vezes contra Leandro Grigório de Oliveira e contra outro homem. Os dois baleados eram funcionários da fazenda de Machadinho.
Leandro morreu ainda na fazenda e a outra vítima foi com vida socorrida para um hospital de Ariquemes (RO). No local do crime foram encontrados várias munições deflagradas, como de calibres .30, .12. e e 9mm.
A fazenda onde ocorreu o crime fica em uma região de conflito agrário e a propriedade já passou por reintegração de posse.
No início de dezembro, após identificar os quatro suspeitos, a polícia pediu na Justiça pelas respectivas prisões preventivas e então se descobriu que um dos envolvidos no homicídio já estava preso em uma unidade prisional de Mirante da Serra (RO).
“Contudo, Adeildo Gonçalves Calheiros, Marcos Dione de Jesus Cruz e Mario Dornellas da Costa Junior estão foragidos”, diz a polícia.
Quem tiver informações sobre o paradeiro de algum deles, a Civil pede para a população denunciar através do 197, de forma anônima.
O inquérito do homicídio de Leandro e da tentativa de assassinato do outro trabalhador foi enviado ao Ministério Público de Rondônia (MP-RO).