Reciclagem de geladeiras evita emissão de poluentes equivalente a de 2,6 mil carros no trânsito

peixe-post-madeirao

Reciclagem de geladeiras evita emissão de poluentes equivalente a de 2,6 mil carros no trânsito

peixe-post-madeirao
Reciclagem de geladeiras - Energisa

Mais de 2 mil geladeiras substituídas pelo Grupo Energisa em Rondônia, Mato Grosso, Borborema (SE) e Acre cruzaram o país em 2020 para ter o descarte correto em Cabreúva (SP). O objetivo é evitar que geladeiras ineficientes continuem a ser usadas gastando mais energia ou, pior, que sejam descartadas de forma errada, liberando gases como os hidrofluorcarbonos (HFCs) e hidroclorofluorcarbonos (HCFCs), vilões do efeito estufa, ou vazando óleo do motor que polui solo e lençóis freáticos. A reciclagem evitou que 643 kg desses gases contaminassem a atmosfera, o que equivale a 2.679 veículos de passeio trafegando durante 365 dias.

Esse tipo de reciclagem segue a normas da ABNT, que trata da manufatura reversa de aparelhos com refrigeração. Segundo Marcelo Souza, CEO da Indústria Fox, que presta serviço para a concessionária, o processo é dividido em três fases. Na primeira, os produtos são inspecionados, as prateleiras e gavetas são removidas e colocadas em esteiras para a sucção do óleo do motor e do gás presente no compressor e na serpentina. O processo utiliza pressão negativa nas mangueiras para assegurar que todo o sistema seja limpo. Em seguida, a geladeira é triturada, separando metais (cobre, alumínio e ferro) e plástico através do eletromagnetismo. “Nessa etapa o ambiente é hermeticamente fechado. Os gases que, porventura, ainda estejam presentes na espuma são captados pela tubulação e levados para terceira etapa”, explica.

Conforme Souza, o diferencial desse processo pioneiro está na terceira fase com a destruição de todos os gases coletados durante o processo. “Os gases são aquecidos em até 1.000º C no reator, quebrando as moléculas. Em seguida as moléculas passam por um processo de lavagem, onde a temperatura declina de 1.000 para 80º C, momentos em que o Cloro e o Flúor se ligam a molécula da água. O processo gera uma diluição ácida de clorídrico e fluorídrico que posteriormente pode ser utilizado como limpa pedra ou para processo de decapagem”, declarou. Os metais das geladeiras que foram triturados voltam a cadeia produtiva como matéria-prima de fonte reciclada para insumo de novos produtos ou aplicações.

As substâncias químicas no circuito de refrigeração (compressor) e no isolamento térmico (expansão) contribuem para o efeito estufa caso sejam descartados de forma errada. Nos aparelhos antigos, as fábricas utilizavam clorofluorcarbonos (CFC) que contribuía para destruir a camada de ozônio e que pode permanecer na atmosfera de 50 a 100 anos, segundo o Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC). Desde 1987, devido ao Protocolo de Montreal, os fabricantes utilizam os hidrofluorcarbonos (HFCs) e hidroclorofluorcarbonos (HCFCs) que são gases que contribuem para o efeito estufa absorvendo a radiação infravermelha, prendendo o calor dentro da atmosfera, com potencial de 120 a 12.000 vezes superior ao do dióxido de carbono, permanecendo na atmosfera por até 400 anos, de acordo com o mesmo Painel.

Segundo o coordenador de Eficiência Energética da Energisa, Thiago Peres de Oliveira, a concessionária acompanha todas as etapas do projeto, desde a aquisição de novas geladeiras, substituição nas casas dos clientes até a reciclagem. “O cliente beneficiado pelo programa recebe uma geladeira nova, com selo Procel que consome menos energia e contribui para redução da sua fatura de energia. Em contrapartida, o cliente entrega a antiga geladeira, de baixo rendimento, que muitas vezes já apresenta problemas até de vazamento de gases que prejudicam o meio ambiente”, explica.  Oliveira reitera que a concessionária desenvolve suas atividades com foco em sustentabilidade, eficiência e segurança.