Produtores usam abelhas para aumentar cultivo de melancia em Porto Velho

peixe-post-madeirao

Produtores usam abelhas para aumentar cultivo de melancia em Porto Velho

peixe-post-madeirao
Produtores usam abelhas para aumentar cultivo de melancia em Porto Velho

Com a ajuda das abelhas, produtividade do fruto pode aumentar em até 30%. Proprietários da fazenda introduziram um apiário no local, para que a haja abelhas suficientes na natureza para polinizar toda a área. Parte 1: Plantio de melancia em Porto Velho
Ainda em fase de estruturação, o cultivo de melancia é recente em uma propriedade de Porto Velho e mesmo em fase inicial, o fruto produzido na localidade, é referência em qualidade. No primeiro ano, um hectare de melancia foi plantado. Na segunda safra, o dobro da área foi destinado ao fruto e agora, são 25 hectares totalmente cobertos por melancia.
O fruto pode ser plantado em qualquer estação do ano e segundo o agrônomo Rafael de Lima, a escolha da época da safra está relacionada ao alto rendimento. Os donos da propriedade escolheram plantar o fruto apenas no verão, já que no inverno, pretendem trabalhar com outra cultura.
“Essa época [o verão] é melhor também por causas das doenças. Na época de chuva você não consegue colher o fruto, porque a pressão de doenças é muito grande. Na época da seca, você consegue ter uma produtividade maior e não se preocupa tanto com doenças”, explica Rafael.
De acordo com o desenvolvimento da planta, é feita a adubação de cobertura. Além disso, tem a fertirrigação, quando a planta recebe nutrientes diretamente na água.A cada safra, melhorias são feitas no perfil do solo para alcançar a meta de pelo menos, 70 toneladas de melancia por hectare.
“Tudo começa com o preparo do solo. A gente faz uma gradagem, faz uma análise de solo e quando essa análise chega, a gente faz a interpretação e ajeita os adubos que serão necessários para a implantação. Aqui a gente trabalha no sistema de leira, porque o nível do solo as vezes é muito baixo, e pode ter chuva, e nesse caso, a melancia não aguenta alagamento”, disse o engenheiro agrônomo.
A produção é vendida no mercado local e a medida que a safra aumenta, novos acordos são feitos. O agrônomo Gustavo Gonçalves, que já trabalhava com a fruta em outros estados, destaca o potencial que Rondônia tem para o cultivo da fruta.
“Uma das grandes vantagens é a questão de horas-luz e associado a isso, a temperatura elevada, já que é algo que a melancia gosta e se desenvolve bem nessas condições. Por outro lado, tem a relação de umidade. Chove muito na região e isso deve ser levado em consideração, então aqui na região de Rondônia, quando for implantar a cultura da melancia, tem que se atentar a escolha de algumas variedades, que se desenvolvem melhor nessas condições”, explicou Gustavo.
Ajudinha das abelhas 🐝
Atualmente, a propriedade colhe cerca de 40 toneladas por hectare, mas esse número pode aumentar em até 30% com a ajuda de polinização das abelhas.
“Tem todo um manejo, toda uma preocupação com o trabalhador rural, com os animais da propriedade… Então tem a distância que temos que respeitar, tem todas as medidas de segurança para o apiário, para que não haja acidente”, explicou o apicultor Fernando Gehrke.
Apiário instalado na propriedade em Porto Velho
Armando Júnior/Rede Amazônica
Para ter um aumento de produção, os proprietários da fazenda introduziram um apiário no local, para que a haja abelhas suficientes na natureza para polinizar toda a área.
“Sem abelha, a gente não consegue produzir melancia e a falta de polinização na melancia, quando é deficitária, forma frutos tortos”, explicou Rafael de Lima.
Para essa polinização, a espécie de abelha escolhida é grande produtora de pólen, a apis mellifera, mais conhecida como abelha europeia. Na colmeia, ela permite pouca entrada de néctar, que ajuda diretamente na produção do mel para consumo humano e prioriza o pólen.
“A melancia é uma planta que produz muito pólen, e pouco néctar. Então preciso de abelhas que tenham mais interesse pelo pólen, fazendo assim uma melhor polinização da melancia”, revelou Fernando.
Veja outros vídeos do Rondônia Rural