Produtores de RO fazem documentário que conta a história da colheita artesanal do açaí em Guajará-Mirim

peixe-post-madeirao

Produtores de RO fazem documentário que conta a história da colheita artesanal do açaí em Guajará-Mirim

peixe-post-madeirao
Produtores de RO fazem documentário que conta a história da colheita artesanal do açaí em Guajará-Mirim


Produção fala do universo e da história da colheita artesanal do açaí na região. Produção do documentário é de Joílson Arruda e Saulo de Sousa. Curadoria do projeto é de Renato Negrão. Documentário ‘Açaí, Pérola Negra’ foi gravado em Guajará-mirim, Rondônia
Joilson Arruda / arquivo pessoal
Por detrás do alimento que fornece energia, derruba o colesterol, protege o coração, melhora a circulação, e tantos outros benefícios, há as narrativas, memórias e patrimônio cultural, elementos importantes para a história do estado de Rondônia. Para retratar toda essa riqueza, o projeto cultural “Açaí, Pérola Negra” mostra a produção e conta a história de pessoas que estão conectadas à floresta por meio da colheita artesanal do açaí. Guajará-Mirim foi o cenário escolhido para produção de todo o material que compõe o projeto. o
Por detrás do alimento que fornece energia, derruba o colesterol, protege o coração, melhora a circulação, e tantos outros benefícios, há narrativas, memórias e elementos importantes para a história do estado de Rondônia. Para retratar toda essa riqueza, o projeto cultural “Açaí, Pérola Negra” mostra a produção e conta a história de pessoas que estão conectadas à floresta por meio da colheita artesanal do açaí.
O município de Guajará-Mirim, em Rondônia, foi o cenário escolhido para produção de todo o material que compõe o projeto. O documentário será exibido na plataforma digital no dia 27 de abril às 19h. Confira a agenda abaixo:
Agenda ‘Açaí, Pérola Negra’
Joílson Arruda e Saulo de Sousa, os produtores do documentário, constroem uma narrativa sobre o universo, cada vez mais escasso, dos catadores de açaí na sua forma artesanal. Em entrevista à rádio CBN Porto Velho, o produtor destaca o trabalho do personagem Silvinho, que faz a extração da fruta.
“O trabalho que o seu Silvinho desenvolve, é um trabalho muito artesanal e de muito conhecimento ancestral em que ele aprendeu com o pai dele, e o filho aprendeu com ele. É um trabalho que é preciso acordar cedo, quase todos os dias ir para a mata para colher o açaí, debulhar, tirar a fruta dos cachos de açaí, ensacar e depois voltar. Mas não é um trabalho tão simples”, destaca Joílson.
Documentário ‘Açaí, Pérola Negra’ foi gravado em Guajará-mirim, Rondônia
Joilson Arruda / arquivo pessoal
O projeto utiliza a linguagem da fotografia e o vídeo retrata as narrativas e transita entre memória e patrimônio cultural sobre uma prática que tem nome, cor e sabor: o açaí. Joílson, preocupado, relata que a forma artesanal da colheita do açaí está sob forte ameaça e pode chegar ao fim.
“Ao tratar da colheita do açaí da forma antiga, estamos indo um pouco além de uma história individual específica, a gente está falando de vidas da Amazônia, que é de um conhecimento ancestral ligada a floresta. Essa pessoa não perceba que essa pessoa não possui propriedade e o fruto com que ele trabalha se encontra na floresta. A vida e o trabalho do seu Silvino está totalmente conectado com a floresta, portanto, se a floresta deixar de existir, esse conhecimento também deixaria de existir, esse traço da nossa cultura deixaria de existir”.
Documentário ‘Açaí, Pérola Negra’ foi gravado em Guajará-mirim, Rondônia
Joilson Arruda / arquivo pessoal
O documentário, de acordo com o produtor, tem o objetivo de gerar um olhar de reflexão sobre as centenárias práticas de relação entre o homem e a floresta, e também difundir informações – fora dos limites do estado – sobre um produto brasileiro que é consumido internacionalmente.
“Ao tratar a história do seu Silvinho estamos contando a história de centenas de outras pessoas que estão vivendo dessa forma mostrando um pouco da adversidade da Amazônia. Por que quando se pensa em Amazônia lembra-se a biodiversidade da flora, fauna. Muitas das vezes quando se pensa nas pessoas que vivem na Amazônia se lembra muito dos indígenas, mas há muito mais que isso há os extrativistas como seu Silvinho, também os que fazem a coleta da castanha, os pescadores, seringueiros, enfim, há uma biodiversidade na vida na Amazônia também que muita gente desconhece”, pontua.
Documentário ‘Açaí, Pérola Negra’ foi gravado em Guajará-mirim, Rondônia
Joilson Arruda /arquivo pessoal
O projeto foi aprovado pelo Edital Pacaás, um dos editais da Lei Aldir Blanc, coordenado pela Sejucel, em Rondônia, o resultado do material produzido será apresentado em plataformas digitais, a partir de abril de 2021e tem a finalidade de documentar, gerar um olhar de reflexão sobre as centenários práticas de relação entre o Homem e a Floresta e também levar informações – fora dos limites do Estado – sobre um produto brasileiro que é consumido internacionalmente. A curadoria do projeto é de Renato Negrão.
Veja mais notícias de Rondônia