Prefeitura diz que Isaú Fonseca mandou cancelar contrato de R$ 37 milhões ‘antes de qualquer fraude’ em Ji-Paraná, RO

peixe-post-madeirao

Prefeitura diz que Isaú Fonseca mandou cancelar contrato de R$ 37 milhões ‘antes de qualquer fraude’ em Ji-Paraná, RO

peixe-post-madeirao
Prefeitura diz que Isaú Fonseca mandou cancelar contrato de R$ 37 milhões 'antes de qualquer fraude' em Ji-Paraná, RO


Segundo a Polícia Civil, servidores do executivo tentaram desviar dinheiro da pandemia através de um contrato fraudulento. Município diz que prefeito não tem envolvimento e nem foi intimado. Robson Casula, supervisor de assuntos legislativo em Ji-Paraná
Gedeon Miranda/Rede Amazônica
O supervisor de assuntos legislativo de Ji-Paraná (RO) afirmou em uma coletiva de imprensa que o prefeito, Isaú Fonseca, não foi intimado pela Polícia Civil durante a Operação Colapso nesta segunda-feira (7).
Polícia decidiu intervir antes do pagamento de R$ 37 milhões para evitar rombo na Saúde de Ji-Paraná, diz delegado
Segundo Robson Casula, o chefe do executivo não tem relação com a suposta tentativa de fraude revelada na investigação, que denuncia o envolvimento de servidores do executivo por tentarem desviar R$ 37 milhões da Saúde através de um contrato fraudulento.
Aos jornalistas, o supervisor de assuntos legislativos explicou sobre o contrato, onde inicialmente visava ampliar os leitos de UTI para Covid-19 em Ji-Paraná e fornecer medicamentos.
“Chegou ao conhecimento do prefeito que havia uma empresa nesse segmento [em março], que poderia atender a ampliação de leitos. Diante de uma promessa de que poderia ampliar leitos e fornecer medicamentos, e na expectativa de resolver um problema tão grave, é que o prefeito autorizou um processo administrativo. O processo evoluiu, acelerou e o prefeito ordenou fazer um estudo/técnico”, explicou Robson.
Após a contratação e verificação do processo, o prefeito Isaú Fonseca determinou que fosse feito uma análise. Ainda em março, o próprio prefeito teria ordenado o cancelamento do respectivo contrato de R$ 37 milhões, com dispensa de licitação.
“A prefeitura não gastou um real com essa empresa. O processo foi cancelado, não houve qualquer andamento que pudesse colocar em dúvida a administração pública”, diz supervisor.
Ainda de acordo com Robson, o próprio prefeito Isaú Fonseca mandou suspender a contratação, antes mesmo de surgir qualquer indício de fraude no contrato com a empresa Ultramed – Serviços Médicos e Hospitalares.
Secretário de saúde de Ji-Paraná, servidor e procurador são afastados durante operação
“Isaú não tinha conhecimento de outros ilícitos que pudessem ser feitos posteriormente no contrato. Abriu-se o processo, surge-se essa empresa. Mas antes dessa empresa praticar qualquer ato, o prefeito cancelou”, afirma Robson.
A Polícia Civil confirma que os alvos da operação nesta segunda-feira são servidores do executivo, e não o prefeito de Ji-Paraná.
Ao todo, os policiais cumpriram 8 mandados de busca e apreensão e 3 mandados de afastamento cautelar das funções públicas de Ivo da Silva (secretário municipal de Saúde), Ricardo Marcelino Braga ( Procurador-Geral do município) e Claudinei Henrique de Oliveira (Presidente da Comissão de Processo de Licitação).
Os R$ 37 milhões que seriam supostamente desviados fazem parte de recursos do combate da Covid-19, mas segundo o delegado Thiago Flores, o município de Ji-Paraná não fez o pagamento para a empresa contratada sem licitação.
Operação afasta secretário de saúde e procurador por tentarem desviar R$ 37 milhões do combate à pandemia
Operação Colapso é realizada em Ji-Paraná e afasta servidores, RO