Estudo analisa se quantidade de pirarucus pode impactar biodiversidade do rio Pacaás Novos em RO

peixe-post-madeirao

Estudo analisa se quantidade de pirarucus pode impactar biodiversidade do rio Pacaás Novos em RO

peixe-post-madeirao
Estudo analisa se quantidade de pirarucus pode impactar biodiversidade do rio Pacaás Novos em RO

Peixe não é nativo da região. Moradores relataram a presença do pirarucu e diminuição dos peixes que costumavam consumir. Pirarucu na Reserva Extrativista Rio Pacaás Novos.
Sedam/Divulgação
A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam) planeja catalogar a quantidade de pirarucus que existem na Reserva Extrativista (Resex) Rio Pacaás Novos, localizada em Guajará-Mirim (RO), para analisar a possibilidade de superpopulação.
A ação foi iniciada após moradores da região relatarem a presença do pirarucu e a diminuição dos peixes que costumavam consumir, como o tucunaré e a carabiquara.
LEIA TAMBÉM: Como a preservação do Rio Madeira é essencial para manutenção da bacia amazônica
O levantamento é feito por uma equipe de biólogos da Sedam com auxílio dos pescadores e moradores da área. O objetivo é analisar o comportamento do peixe na reserva e os impactos que a espécie pode causar, já que não é um peixe nativo da área.
As equipes se dividem em diferentes barcos, no perímetro a ser analisado, com uma distância segura para não contabilizar o mesmo peixe mais de uma vez.
Levantamento analisa a possibilidade da superpopulação de pirarucus na Reserva Extrativista Rio Pacaás Novos.
Sedam/Divulgação
Invasão
Segundo a Sedam, pescadores da comunidade Santa Margarida contaram que os pirarucus não eram vistos nas águas da reserva antes da enchente histórica de 2014.
De acordo com a pós-doutora em manejo pesqueiro e professora titular do departamento de biologia da Universidade Federal de Rondônia (Unir), Carolina Dória, o pirarucu desce pelos rios da Bolívia e Peru até os rios de Rondônia há pelo menos 30 anos e a cheia pode ter facilitado a dispersão da espécie.
Como não é nativo da reserva, o pirarucu pode ameaçar a biodiversidade da região por causa dos hábitos alimentares.
“O Pirarucu é um peixe piscívoro de topo de cadeia, muito voraz e precisa comer muito para se sustentar. O resultado disso é que ele come os indivíduos jovens e adultos de outras espécies, que acabam reduzindo. Assim, como ele é uma espécie invasora, ele pode causar um dano enorme as espécies nativas competindo por alimento e também se alimentando das espécies nativas”, aponta Carolina.
Segundo os biólogos que participam da pesquisa através da Sedam, a maior parte dos peixes são encontrados em áreas mais calmas e eles ameaçam até mesmo a existência das espécies desconhecidas.
Levantamento analisa a possibilidade da superpopulação de pirarucu na Reserva Extrativista Rio Pacaás Novos.
Sedam/Divulgação
“Essa região é muito rica em biodiversidade ainda desconhecida. E como o pirarucu adulto pode comer até 60 quilos de peixes por dia, ele pode estar acabando inclusive com espécies ainda não catalogadas”, ressalta o biólogo Thales Quintao.
A Sedam informou que, caso seja comprovada a superpopulação, será feito um plano para o manejo da espécie, além de um ajuste na legislação.
Pesquisa da Unir
Recentemente a Unir coordenou uma pesquisa sobre peixes da Bacia Amazônica em parceria com pesquisadores de vários países. O estudo indica que a presença do pirarucu e a tilápia em áreas que não são nativos, pode causar a extinção de espécies que costumam viver naquele local.
VÍDEOS: veja mais notícias de Rondônia