Equipes da ONG Médicos Sem Fronteiras reforçam combate à Covid em Ji-Paraná

peixe-post-madeirao

Equipes da ONG Médicos Sem Fronteiras reforçam combate à Covid em Ji-Paraná

peixe-post-madeirao
Médicos 2

Equipes da organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) chegaram a Ji-Paraná e estão reforçando o combate ao novo coronavírus (Covid-19). Profissionais da ONG já estão atuando no Hospital Municipal Dr. Claudionor Couto Roriz.

Neste primeiro momento, as equipes da MSF estão avaliando a situação do município e o atendimento prestado pelos profissionais da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa). Com esse levantamento, as equipes da MSF e da Semusa vão alinhar detalhes sobre a atuação da ONG em Ji-Paraná.

Na quinta-feira (8), o titular da Semusa, Ivo da Silva, se reuniu com profissionais da MSF. A diretora-geral do HM, Maria Edenite Barroso, o diretor técnico do hospital, Hendriw de Souza Ribeiro, a gerente geral da Semusa, Eliana Pereira Cruz, e a diretora do departamento de Vigilância Epidemiológica, Luzia Santos Lomes, também participaram do encontro.

“Estamos passando por um momento crítico e muito delicado, com a pandemia de Covid-19. Neste momento, qualquer ajuda é bem vinda e este reforço dos voluntários dos Médicos Sem Fronteiras vai nos auxiliar no combate a essa doença”, destacou o titular da Semusa, Ivo da Silva.

O coordenador de emergências da MSF no Brasil, Fábio Biolchini, explicou como será o trabalho dos 14 profissionais da ONG em Ji-Paraná. Segundo o coordenador, as equipes da MSF devem atuar no município temporariamente, enquanto o momento em Ji-Paraná for considerado crítico.

“Hoje é difícil estimar por quanto tempo vamos atuar em Ji-Paraná, vai depender da curva epidemiológica e da conclusão dos treinamentos. A MSF está atuando no suporte técnico clínico, no manejo de pacientes necessitando de oxigenoterapia. Trazemos conhecimento técnico adquirido em outras partes do mundo e do Brasil, que melhoram o prognóstico do paciente. Além disso, completamos a escala do hospital com médicos e enfermeiros da organização, que trabalham lado a lado com os profissionais da Semusa”, explicou Fábio Biolchini.

A organização Médicos Sem Fronteiras também auxilia os municípios com a doação de materiais, como equipamentos de proteção individual (EPIs), testes rápidos para detecção da Covid e concentradores de oxigênio.

“Também atuamos com suporte psicológico aos profissionais da Saúde que estão exaustos e com sintomas de fadiga, depressão e Síndrome de Burnout”, ressaltou o coordenador de emergências.

A diretora-geral do Hospital Municipal, Edenite Barroso, explicou que, apesar de estarem na fase de avaliação do atendimento prestado em Ji-Paraná, os profissionais da MSF já estão atuando no HM.

“Está sendo uma experiência maravilhosa atuar com o apoio da MSF. Estamos, há mais de um ano, lutando contra a Covid e estamos indo degrau a degrau. E este apoio da MSF está sendo como uma mão na roda, pois é uma organização com experiência internacional, que veio para nos dar esse suporte e está sendo muito importante”, detalhou Edenite.

Médicos Sem Fronteiras

Criada em 1971, na França, a organização Médicos Sem Fronteiras oferece ajuda médica e humanitária para populações que estão passando por situações de emergência, como conflitos armados, desastres naturais e epidemias.

“O objetivo da MSF na pandemia é dar suporte ao sistema de saúde local que hoje está sobrecarregado. Já trabalhamos em vários estados do Brasil, hoje estamos concentrados em Rondônia e estamos estudando expandir as atividades para outros estados do Norte e Nordeste do país, dependendo dos recursos humanos disponíveis e da situação epidemiológica de cada local”, justificou Fábio Biolchini.