Rio Madeira Atinge Menor Marca da História e Acende Alerta

peixe-post-madeirao

Rio Madeira Atinge Menor Marca da História e Acende Alerta

peixe-post-madeirao

Seca inédita leva o rio a marcar apenas 1,10 metros em 6 de outubro deste ano

O rio Madeira, um dos mais importantes da região Norte do Brasil, experimentou um nível de seca sem precedentes, chegando a uma altura de apenas 1,10 metros no dia 6 de outubro, segundo o último relatório do Serviço Geológico do Brasil (CPRM/SGB). A seca está associada ao aquecimento das águas no Atlântico Norte e ao fenômeno climático El Niño.

A Contribuição dos Fenômenos Climáticos

Marília Nascimento, meteorologista do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), esclarece que o aquecimento das águas no Atlântico Norte tende a criar condições atmosféricas que suprimem a formação de chuvas sobre a Amazônia. “O Dipolo do Atlântico, que seria essa gangorra de aquecimento/resfriamento das águas do Atlântico tropical, é um fenômeno natural, porém não se descarta que o aquecimento global cause alterações nesse fenômeno”, explica.

Nascimento destaca também o impacto do El Niño, que afeta temporariamente a distribuição de umidade e calor globalmente. “Os principais efeitos do El Niño sobre o nosso país são o aumento das chuvas na região Sul e a diminuição das chuvas na região Norte e Nordeste. Porém, sobre a Região Norte essa diminuição das chuvas ocorre principalmente nos setores norte e leste e deverá ser percebida nos próximos meses”, informa.

A Importância das Chuvas na Bolívia

Marcus Suassuna, pesquisador em Geociências do Serviço Geológico do Brasil, sublinha que as chuvas em Porto Velho não impactam significativamente o nível do rio. “Para o nível do rio Madeira aumentar em Porto Velho, o que importa, de fato, são as chuvas que caem sobre a Bolívia. Como os níveis estão mais baixos na bacia do Beni/Madre de Dios, é mais importante que chova sobre aquela região”, ressalta.

Prognóstico de Chuvas: Quando Voltarão?

Segundo o CPTEC, o início do período chuvoso na região acontece, geralmente, entre outubro e novembro. “As chuvas deverão ter um volume menor do que é esperado para essa época do ano”. Em Rondônia, há alguma expectativa de chuvas nas próximas semanas, mas em volumes abaixo do normal para a época.

Para a cabeceira do rio Madeira, na Bolívia, as previsões também são de chuvas abaixo do esperado, influenciadas principalmente pelo aquecimento das águas do Atlântico Norte e do Pacífico Equatorial, reforçando o fenômeno El Niño.