Hildon pede remessas extras de vacina ao ministro da Saúde

peixe-post-madeirao

Hildon pede remessas extras de vacina ao ministro da Saúde

peixe-post-madeirao
hildon ministro saude

O prefeito Hildon Chaves pediu ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que visitou Porto Velho na quinta-feira (03), o envio de lotes extras de vacina contra a Covid-19 para Rondônia e explicou que as remessas estão aquém do que seria normal. Queiroga admitiu fazer um reestudo do quantitativo destinado ao estado.
O ministro Marcelo Queiroga veio a Porto Velho para conhecer a realidade da área da saúde do estado e as ações de enfrentamento da pandemia. Ele foi recepcionado pelo prefeito Hildon Chaves e pelo vice-prefeito Maurício Carvalho.
A visita de Marcelo Queiroga, segundo Hildon Chaves, tem um simbolismo que pode ser traduzido em esperança, porque o governo federal estará ainda mais presente na região.
“Neste momento, o ministro acenou com a possibilidade de mandar lotes suplementares de vacina para Rondônia”, disse o prefeito.
O ministro foi informado de que Porto Velho tem capacidade técnica para vacinar 4 mil pessoas/dia e que os números podem ser ampliados. “Estamos com a aptidão da equipe de vacinação ociosa. O que está nos faltando é vacina”, explicou o prefeito.

Dimensão

Porto Velho tem especificidades diferentes de outros municípios do Estado e uma delas é a dimensão territorial, que é superior ao estado de Sergipe, ou Alagoas, por exemplo. E o enfrentamento da pandemia impõe uma logística complexa.
Na próxima semana, a equipe de saúde do município seguirá para os distritos da região do Baixo Madeira, usando o Barco Hospital, para vacinar a população ribeirinha. “Temos localidades a quase 400 quilômetros da sede do município. É uma dificuldade adicional. É diferente de locais onde toda a sua população praticamente está na área urbana”, lembrou o prefeito.

Reforço

Marcelo Queiroga disse que há uma preocupação do Ministério da Saúde em reforçar a vacinação contra a Covid-19 em todo o país.
“Distribuímos mais de 100 milhões de doses de vacina desde o início do Programa Nacional de Imunização (PNI), que começou em janeiro. Esta semana também é marcada pelo acordo de transferência de tecnologia entre a farmacêutica AstraZeneca e Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que é uma instituição pública federal, provendo autonomia ao Brasil para produzir vacina com o Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) nacional para o fornecimento de insumos”, destacou o ministro.