Defesa Civil realiza trabalho preventivo com ribeirinhos no rio Madeira

peixe-post-madeirao

Defesa Civil realiza trabalho preventivo com ribeirinhos no rio Madeira

peixe-post-madeirao
defesa civil

O baixo nível das águas do rio Madeira nesta época do ano, junto com os desbarrancamentos e com a fumaça decorrente das queimadas, representa perigo para a navegação. É o período em que a Defesa Civil Municipal intensifica as ações preventivas para evitar acidentes.

“Orientamos as pessoas que utilizam pequenas embarcações, como voadeiras, rabetas e canoas, para que evitem viagens durante a noite. Além do perigo de colisões com banco de areia e pedras, a fumaça gerada pelas queimadas prejudica a visibilidade, tornando a navegação mais perigosa”, disse o coordenador da Defesa Civil de Porto Velho, Edmilson Machado.

Embarcações

Segundo ele, na tarde de terça-feira (17), o nível do rio Madeira era de apenas 3,26 metros. O normal para essa época seria em torno de 4,5 metros para que as embarcações possam navegar com mais segurança.

No dia 10 de agosto, quando o nível do rio atingiu 3,75 metros, a Capitania Fluvial decidiu proibir a navegação noturna como medida de precaução.

Fenômeno

A Defesa Civil também orienta a população ribeirinha, especialmente os pescadores, quanto ao perigo do fenômeno chamado “terras caídas”, comum neste período. “É a erosão fluvial que ocorre nas margens do rio. Grandes pedaços de terra se desprendem e caem, podendo causar graves acidentes”, explicou.

O atendimento social às famílias ribeirinhas, conforme orientação do prefeito Hildon Chaves, é outra atribuição que a Defesa Civil do Município realiza e que foi reforçada durante a pandemia. Nos meses de junho e julho, 720 famílias foram atendidas com água mineral, hipoclorito de sódio, arroz, feijão, leite integral, bolacha e outros itens de primeira necessidade.