Anderson cobra inclusão das polícias Penal e Civil e agentes socioeducativos

peixe-post-madeirao

Anderson cobra inclusão das polícias Penal e Civil e agentes socioeducativos

peixe-post-madeirao
anderson

Durante reunião da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa do Estado de Rondônia, na terça-feira (6), o deputado estadual Anderson Pereira (PROS), repudiou a atitude do Governo do Estado em deixar de fora integrantes das polícias Penal e Civil e agentes socioeducativos da vacinação contra a Covid-19.

O parlamentar lamentou a forma como o Executivo tem conduzido a vacinação, priorizando a Polícia Militar, “merecedora sem dúvidas de receber a imunização”, mas esquecendo de incluir os demais componentes elencados no artigo 144 das constituições Federal e Estadual, que são os profissionais da Segurança Pública.

“Não tive conhecimento de nenhum cronograma, mas o que eu sei é que a vacinação para os integrantes da Segurança Pública de uma forma geral, começou pelos PMs, incluindo apenas 10 profissionais da Polícia Civil, enquanto a Polícia Penal e os agentes de segurança socioeducativos que atuam nas penitenciárias e unidades de internação sequer foram citados. São funções que não pararam, são funções que estão dentro de hospitais e ambulatórios e que não tiveram nenhuma atenção até o momento por parte do governo”, destacou Anderson.

O parlamentar ressaltou que a Polícia Penal tem agido em conjunto com as polícias Civil e Militar no combate ao crime organizado, integrando operações como a realizada no Orgulho do Madeira, que agiu na captura de foragidos da Justiça, ligados a facções criminosas.

“Quantos companheiros da Segurança Pública de uma forma geral perderam a vida para esse vírus? Quantos ainda terão que morrer para mostrar que todos são prioridades e atuam na linha de frente no combate à criminalidade, totalmente expostos ao vírus?”, questionou.

Profissionais

O deputado Anderson apresentou e teve aprovado requerimento solicitando cronograma de vacinação desses profissionais, além de pedir informações de como foi o planejamento e qual critério utilizado para liberar a vacinação para a Segurança Pública e vacinar apenas os policiais militares. O parlamentar acredita que é necessário uma melhor organização, melhor planejamento para conseguir imunizar o maior número possível desses profissionais, que são importantíssimos para sociedade, sem deixar nenhuma classe de fora.