Ever Given: Egito exige US$ 1 bilhão para liberar navio que bloqueou canal de Suez

peixe-post-madeirao

Ever Given: Egito exige US$ 1 bilhão para liberar navio que bloqueou canal de Suez

peixe-post-madeirao
Ever Given: Egito exige US$ 1 bilhão para liberar navio que bloqueou canal de Suez


Duas semanas após seu desencalhe, cargueiro Ever Given que bloqueou canal por onde passa 12% da economia mundial ainda não foi liberado. O cargueiro de 400 metros Ever Given ficou preso diagonalmente no Canal de Suez em 23 de março por quase uma semana, causando o bloqueio de uma das principais rotas marítimas comerciais do mundo
Getty Images/BBC
Parecia um final feliz.
O sucesso da manobra que acabou destravando o cargueiro Ever Given do Canal de Suez no final de março foi festejado por todo o mundo. A história do bloqueio de uma das rotas mais importantes para o comércio internacional havia chegado ao fim.
Mas, na realidade, o problema está longe de ser resolvido.
A razão? O Egito decidiu que não vai liberar o navio até que uma multa US$ 1 bilhão (R$ 5,7 bilhões) seja paga como compensação pelos danos gerados durante a semana de bloqueio. O cargueiro de quase 400 metros está atualmente ancorado no chamado Grande Lago Amargo, um lago salgado situado entre o sul e o norte do Canal de Suez.
“O navio permanecerá aqui até que uma investigação seja concluída e a indenização seja paga”, disse Osama Rabie, presidente da Autoridade do Canal de Suez (ACS), à televisão estatal egípcia.
“Esperamos um acordo rápido”, acrescentou. “No momento em que concordarem com a compensação, o navio poderá se mover.”
Em relação ao valor da indenização, Rabie disse no início de abril que “serão calculados os danos e perdas e quanto as máquinas de dragagem consumiram”. “A estimativa vai chegar a US$ 1 bilhão ou talvez um pouco mais. É um direito que o Egito tem”.
“O navio ficará aqui até que a investigação seja concluída e a indenização seja paga”, disse Osama Rabie, presidente da Autoridade do Canal de Suez
Getty Images/BBC
Esse valor seria calculado com base na perda de taxas de uso do canal perdidas depois que diversos outros navios desviaram a rota, dando a volta pela África do Sul. Além disso, há os danos causados à hidrovia durante a drenagem, os esforços de retirada do cargueiro e os custos com equipamentos e materiais.
Shoei Kisen, empresa japonesa dona da Ever Given, disse que não recebeu até o momento nenhuma reclamação oficial ou ação legal pelo bloqueio causado pela embarcação, mas reconheceu que está em “negociações” com a autoridade do canal.
Por que o navio encalhou?
As declarações de Osama Rabie surgem no meio de uma investigação que visa obter mais pistas sobre como o Ever Given acabou encalhado na margem do canal.
A causa inicial foi atribuída a ventos fortes, mas agora investigadores devem verificar se houve erros técnicos ou humanos, teoria que é defendida pelo presidente da ACS.
“O canal nunca foi fechado devido ao mau tempo”, disse Rabie. Ele também negou que o enorme tamanho do navio fosse a causa, já que “cargueiros ainda maiores” cruzam aquele trecho.
Navegação é retomada no Canal de Suez após navio desencalhar
Por ser uma das principais artérias econômicas do mundo – por onde passa mais de 12% do comércio total -, a estagnação do Canal de Suez trouxe uma série de consequências econômicas que acabaram afetando o bolso de milhões de pessoas.
Quase dois milhões de barris de petróleo e cerca de 8% do gás natural liquefeito passam pelo Canal de Suez todos os dias.
Isso teve um forte impacto no preço desses produtos.
Além disso, estima-se que mais de 360 ​​embarcações foram paralisadas no canal, entre cargueiros com contêineres e petroleiros.
Quanto custou o bloqueio do Canal de Suez?
Segundo Osama Rabie, o encalhe do cargueiro teve grande impacto nessa rota comercial, custando entre US$ 14 e US $15 milhões (cerca de R$ 80 milhões) a cada dia de bloqueio.
O canal é uma importante fonte de receita para o Egito. Até antes da pandemia, o comércio que passava por ali contribuía com 2% do PIB do país segundo a agência de classificação de crédito Moody’s.
VÍDEOS: as últimas notícias internacionais