Os Krahô são reconhecidos pela preservação de suas tradições e celebrações

peixe-post-madeirao

Os Krahô são reconhecidos pela preservação de suas tradições e celebrações

peixe-post-madeirao
kraho

Conhecidos como os senhores do Cerrado e por sua alegria genuína, o povo Krahô habita terra indígena situada na região de Itacajá e Goiatins, com 302.533 hectares, demarcada em 1976. A última contagem apontava para 2.843, mas suas lideranças acreditam que a população seja bem maior, em função do alto índice de nascimentos.

Todas as suas aldeias apresentam estrutura em forma circular, com habitações em torno de uma área vazia. O pátio central ou Ká, que representa o coração da aldeia, é o lugar em que reúnem-se para dividir o trabalho e tomar decisões importantes para a comunidade. Pertencentes ao tronco Macro-Jê, têm suas aldeias divididas em dois partidos – o do inverno (Katam’jê) e o do verão (Wakm’jê) -, que se revezam no poder de acordo com os períodos de chuva e seca na região.

Os Krahô são reconhecidos pela preservação de suas tradições e celebrações. Possuem como símbolo sagrado uma machadinha de pedra chamada de Khoyré, que passou vários anos sob custódia de uma universidade, até ser recuperada. A corrida de toras em torno do pátio central das aldeias é uma das tradições. As toras de buriti são especialmente preparadas para as festividades, como a Festa da Batata (Panti), a Festa do Milho (pônhê), a Festa Wythô, a Empenação das Crianças e a Feira das Sementes.

Fonte: Portal Amazônia