Incidência de raios na região Amazônica chega a 30 milhões por ano! Saiba por quê:

peixe-post-madeirao

Incidência de raios na região Amazônica chega a 30 milhões por ano! Saiba por quê:

peixe-post-madeirao
b2ap3_medium_raio-no-brasi_20211104-165343_1

Na capital amazonense, houve um aumento, nos últimos 30 anos, de 50%. Manaus representa a segunda cidade com mais mortes provocadas por descargas elétricas no Brasil.

Nesse período de chuvas, é comum presenciar com maior frequência a incidência de raios na Amazônia.

Todos os anos, o Brasil é atingido por cerca de 77,8 milhões de descargas elétrica, o que representa a maior recorrência de raios no mundo.

Na capital amazonense, houve um aumento, nos últimos 30 anos, de 50% na incidência de raios. Manaus é o segundo lugar com mais mortes provocadas por descargas elétricas no Brasil, ficando atrás apenas de São Paulo.

O Portal Amazônia explica qual a projeção futuramente para ocorrência de raios e porque a Amazônia é um dos lugares do mundo onde caem mais relâmpagos.

Mas afinal, o que é um raio? Qual a diferença entre raio, trovão e relâmpago? O raio é um fenômeno natural que ocorre quando uma nuvem de aproxima demais da outra, ou quando se aproxima do solo. Nesses processos, há uma troca de cargas elétricas entre essas massas e dessa troca surge a descarga elétrica.

O raio é popularmente conhecido também por relâmpago. A velocidade em que vemos o raio, ou seja, a velocidade da luz, é mais rápida do que a velocidade em que o ouvimos (velocidade do som), e esse “barulho” que escutamos é conhecido como trovão.

Aumento da incidência

Um estudo publicado pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) revela que entre os anos de 2081 e 2100, o a incidência de raios deve alcançar a casa dos 100 milhões por ano.

Na Amazônia, esse número já chega a 30 milhões por ano. São 13,4 raios por quilômetro quadrado.

O coordenador do Elat, Osmar Pinto Júnior, ressalta que a Amazônia é uma das três regiões no mundo com a maior incidência de descargas elétricas “Isso ocorre devido a localização geográfica próxima à linha do Equador e a alta umidade por conta da floresta”, explica.

Em relação ao aumento em 50% na ocorrência de raios em Manaus, “Os fatores que contribuíram para esse aumento fundamentalmente é a urbanização, responsável pelo aumento de temperatura e poluição”, esclarece.

Confira no gráfico a seguir, as 10 cidades em que mais caíram raios em um único dia no Amazonas, de acordo com levantamento realizado pelo Grupo Eletricidade Atmosférica:

Reprodução: Portal Amazônia

Com a urbanização, as ocorrências ficam mais visíveis nos centros urbanos. Em setembro deste ano, uma equipe de reportagem foi surpreendida por um raio que caiu próximo dos mesmos na Praia da Ponta Negra.

O jornalista Clayton Pascarelli contou em suas redes sociais “Então começou a cair uns clarões mais distantes, por trás dos prédios ali da Ponta Negra. De repente caiu um atrás de mim e eu só vi a claridade, mas como eu tava posicionado para entrar ao vivo, eu fiquei na minha, concentrado. Aí o Anderson [cinegrafista] disse: ‘Caraca, caiu atrás de ti'”, se lembra.

Mortes por raio

O Brasil é considerado por muitos pesquisadores como “o país dos raios”.  De acordo com estudos do Elat/Inpe, entre os anos de 2000 a 2019, foram registradas 2194 mortes por raio no Brasil, o que representa uma média de 110 casos a cada ano. A cada 50 mortes provocadas por um raio no mundo, uma é no Brasil.

Como se proteger de um raio

Confira algumas dicas para se proteger de raios:

  • Evite sair de casa durante tempestades, mas se estiver na rua, procure se abrigar em carros, ônibus, lugares cobertos;
  • Se estiver em uma área sem abrigo ou cobertura e estiver relampejando, ajoelhe-se e curve-se para frente, colocando as mãos nos joelhos e a cabeça entre eles;
  • Mantenha distância de árvores, cercas de arames e objetos metálicos;
  • Caso esteja em casa, evite usar equipamentos eletrônicos ligados na tomada, como celulares e notebooks, porque as redes elétricas podem ser atingidas.
  • Fonte: Portal Amazônia