Conheça os Yanomami: povos indígenas que vivem isolados na Floresta Amazônica

peixe-post-madeirao

Conheça os Yanomami: povos indígenas que vivem isolados na Floresta Amazônica

peixe-post-madeirao
indigenas-yanomami

Os Yanomami são um dos maiores povos indígenas relativamente isolados da América do Sul. Eles vivem nas florestas e montanhas do norte do Brasil e sul da Venezuela.

 

Os Moxihatëtë thëpë , mais conhecidos como Yanomami (que significa “seres humanos”), formam uma sociedade de caçadores-agricultores da Floresta Amazônica. Eles vivem em uma área na região da Serra da Estrutura, na Terra Yanomami. Seu território cobre aproximadamente, 192.000 km², situados em ambos os lados da fronteira Brasil – Venezuela.

Por viverem em total isolamento, sobrevivem exclusivamente do que cultivam e caçam na floresta. Apesar de não terem contato com os demais Yanomami, os Moxihatëtë são considerados um subgrupo da mesma etnia, pois possuem o mesmo tronco linguístico, segundo a Associação Yanomami, Huturaka.

Embora as caças equivalham a apenas 10% dos alimentos dos Yanomami, a sua prática entre os homens é considerada a mais prestigiada das habilidades e a carne é muito valorizada por todos. Nenhum caçador come a carne que matou. Em vez disso, ele a compartilha entre amigos e familiares. Em troca, ele receberá a carne de outro caçador. As mulheres são encarregadas das roças onde cultivam cerca de 60 culturas que correspondem a cerca de 80% dos seus alimentos. Elas também colhem nozes, mariscos e larvas de insetos. O mel selvagem também é muito valorizado e os Yanomami colhem 15 tipos diferentes.  Como é típico de caçadores-coletores e agricultores itinerantes, os Yanomami levam em média menos de quatro horas de trabalho por dia para satisfazer todas suas necessidades materiais. Muito tempo é deixado para atividades sociais e de lazer. Eles têm um enorme conhecimento botânico e utilizam cerca de 500 plantas como alimentos, remédios, para a construção de casas e de outros artefatos. Eles se sustentam em parte pela caça, coleta e pesca, mas as roças também são cultivadas em roças amplas localizadas na floresta. Como o solo amazônico não é muito fértil, um novo jardim é criado a cada dois ou três anos.

Eles costumavam migrar, mas a comunidade está firmada na região da Serra da Estrutura há pelo menos 15 anos. Os Yanomami vivem em grandes casas comunais circulares chamadas de “yanos” ou “shabonos”. Algumas podem acomodar até 400 pessoas. A área central é utilizada para atividades tais como rituais, festas e jogos. No entanto, eles vivem em uma região que possui a maior concentração de garimpeiros ilegais, alguns dos quais operam a apenas quilômetros de distância dos yano.

O contato com os garimpeiros poderia ser muito perigoso para os Moxihatëtë , já que conflitos violentos poderiam acontecer. Além do mais, os garimpeiros podem trazer doenças que poderiam afetar a comunidade, caso fiquem doentes.

Foto: Reprodução / Hutukara

 Segundo Angela Kaxuyana, membro da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), os Moxihatëtë thëpë são isolados por uma escolha da própria comunidade, para viver de acordo como “sua cultura prevê” e que “mantém esse povo vivo”.

Ela defende que é necessário respeitar a autonomia de escolha desses indígenas. Com o avanço do garimpo na região dos Moxihatëtë thëpë, Angela explica que é necessário um compromisso do estado brasileiro e dos órgãos competentes para a preservação da vida dos indígenas. Não só com a retirada dos garimpeiros, mas a proteção territorial.

Fonte: Portal Amazônia