Força tarefa da Fhemeron garante envio de amostras para exames do NAT a Manaus

peixe-post-madeirao

Força tarefa da Fhemeron garante envio de amostras para exames do NAT a Manaus

peixe-post-madeirao
Fhemeron-NAT

Diante da crise dos combustíveis, a Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Estado de Rondônia (Fhemeron) desenvolveu uma força tarefa para garantir o envio de amostras de sangue a Manaus/AM visando ser realizado o NAT – Teste de Ácidos Nucleicos. De imediato o presidente do órgão entrou em contato com a Secretaria Estadual de Saúde e o governador Daniel Pereira em busca de uma solução e o chefe do Executivo Estadual disponibilizou uma aeronave para o envio das amostras no último sábado.

“Devido à situação nacional de racionamento de combustível terrestre e aéreo, a Coordenação do Sangue nos enviou na sexta-feira um ofício nos informando que não seria possível enviar as amostras do NAT. Diante dessa informação entramos em contato com a SESAU e fomos atendidos pela secretária adjunta Maria do Socorro, que não mediu esforços em nos ajudar e juntamente com o secretário chefe da Casa Militar Cel. Figueiroa e o governador Daniel Pereira, disponibilizaram uma aeronave para enviar as amostras do NAT para Manaus. O voo saiu de Porto Velho rumo a Manaus no último sábado”, disse o Presidente.

João Ricardo ressalta o comprometimento de toda a equipe da Fhemeron em busca de resolver o problema, destacando o empenho das doutoras Valéria, Ana Carolina e Carola, bem como o vice-presidente Elcio de Moraes e o assessor técnico da presidência, Sid Orleans.
O NAT é um teste para detecção de Ácido Nucléico do HIV (vírus da imunodeficiência humana) e HCV (vírus da hepatite C) e tem o intuito de reduzir o risco transfusional. Com a implantação do NAT, a janela imunológica – que é o período em que o vírus fica indetectável no organismo, entre a infecção e a detecção por um teste – fica reduzida de 22 para 10 dias, no caso do HIV; e de 35 para 14 dias, no caso do HCV. O NAT investiga a presença do material genético do vírus e não a de anticorpos contra o vírus.
“É preciso salientar que a Fhemeron sempre se preocupou quanto a manter a qualidade e a segurança que conta da importância do teste NAT, aliado a outras ações já existentes para a qualidade do sangue usado em transfusão”, resumiu o presidente da Fhemeron.