//

Fake news sobre ações no RS revelam o pior das pessoas, diz Pimenta

peixe-post-madeirao-48x48

Fake news sobre ações no RS revelam o pior das pessoas, diz Pimenta

peixe-post-madeirao

Paulo Pimenta participou de audiência na Câmara dos Deputados

O ministro da Secretaria Extraordinária de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, Paulo Pimenta, afirmou nesta terça-feira (11) que o governo pediu à Polícia Federal para investigar a divulgação de fake news sobre as ações nas enchentes do Rio Grande do Sul. Segundo ele, o objetivo é parar com a desinformação que prejudica a resposta governamental.

“Infelizmente, em momentos como esse, a gente assiste as pessoas revelando o que elas têm de pior. Como é possível que, em uma hora como essa, pessoas se dediquem a sentar atrás de um computador para produzir fake news, desinformar, prejudicar o trabalho das autoridades e prejudicar a ação de resgate das pessoas?”, questionou o ministro durante audiência pública na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados.

Críticas da oposição

Durante a audiência, deputados de oposição criticaram o pedido do governo à Polícia Federal, afirmando que a ação visa perseguir opositores. A deputada Bia Kicis (PSL-DF) disse que o governo está tentando silenciar críticas e opiniões, considerando-as fake news. “Que momento sombrio da história estamos vivendo quando opositores e voluntários dessa tragédia são perseguidos alegando-se que fazem fake news, quando só queremos mostrar a verdade. Não se combate desinformação com censura e perseguição, mas com informação”, afirmou a deputada.

Resposta do governo

Pimenta garantiu que o governo sabe diferenciar debate político de fake news e que cabe à Polícia Federal, ao Ministério Público e ao Poder Judiciário analisar se há crime nas postagens. “A atitude tomada foi para estancar a onda de fake news, que naquele momento específico era altamente prejudicial ao trabalho de resgate, de salvamentos e da chegada de donativos no estado do Rio Grande do Sul. Eu comuniquei à autoridade para que avalie a necessidade ou não de investigação. Portanto, aqueles que não cometeram crimes não têm o que temer”, disse Pimenta.

Outros questionamentos

Durante a audiência, Pimenta foi questionado sobre o uso de um helicóptero das Forças Armadas para se deslocar de Porto Alegre a Santa Maria, acompanhado da esposa. Ele confirmou e explicou que as aeronaves da Operação Taquari 2 estão à disposição do ministério. “E é dessa maneira que eu me desloco”, disse, acrescentando que tem orgulho de ter sua esposa o acompanhando na delegação.

Ele também confirmou a ida a uma churrascaria em Porto Alegre para um encontro com empresários. “Tinha um evento, eu fui convidado por uma entidade de empresários, foi marcado em uma churrascaria, eu vou sempre que me convidarem”, disse.

O deputado Gilvan da Federal (PL-ES) criticou o ministro por usar a jaqueta dos servidores da Defesa Civil. “É ridícula essa jaqueta que você usa”, disse o parlamentar. Pimenta rebateu, afirmando que a jaqueta era uma homenagem aos trabalhadores “que deram sua vida para salvar outras vidas”.

O ministro avisou que ficaria na audiência até as 18h, mas ao sair, foi criticado por parlamentares da oposição, que o chamaram de “fujão” por não responder a todas as perguntas.