F1: Reação “espetacular” de Verstappen na Rússia “não é boa para o campeonato”, diz Mercedes

peixe-post-madeirao

F1: Reação “espetacular” de Verstappen na Rússia “não é boa para o campeonato”, diz Mercedes

peixe-post-madeirao
toto-wolff-entrevista

A vitória conquistada no GP da Rússia foi histórica de várias formas para a Mercedes: foi o 100º triunfo da carreira de Lewis Hamilton na Fórmula 1 e também a 120ª vez que a escuderia heptacampeã mundial escalou o degrau mais alto na categoria. Entretanto, a chegada de Max Verstappen em segundo lugar no último domingo (26) em Sóchi foi um tremendo balde de água gelada, sobretudo depois que o holandês largou em segundo. Foi, definitivamente, uma oportunidade perdida pela Mercedes para somar bons pontos e colocar Hamilton em condição melhor no campeonato contra o rival da Red Bull.

Toto Wolff, chefe da Mercedes, admitiu que o desfecho dramático do GP da Rússia complicou as pretensões da equipe de impulsionar Hamilton rumo ao oitavo título mundial neste ano.

“De certa forma, não estamos tirando o máximo da nossa pontuação, e a mesma coisa aconteceu hoje. Acho que a classificação foi decisiva. Valtteri reagir, algo que sabíamos que seria difícil, e terminar com um primeiro e um quinto é muito bom, claro, e é a 100ª vitória de Hamilton”, explicou.

“Mas Max se recuperou de forma espetacular, o que não é bom para o campeonato”, lamentou Toto Wolff.

Horas antes da largada, no domingo, a Mercedes fez uma manobra estratégica: ao trocar componentes da unidade de potência do carro de Valtteri Bottas, a equipe de Brackley teve como objetivo colocar o finlandês no fim do grid para marcar Max Verstappen, que largou em último também como resultado de uma punição de troca de motor. Neste aspecto, a estratégia não deu muito certo, já que, com a corrida ainda no seco, Verstappen não tomou conhecimento do finlandês e fez a ultrapassagem.

Com a chuva que desabou em Sóchi nas voltas finais, Verstappen acertou ao entrar nos boxes mais cedo para fazer a troca dos pneus slicks para os intermediários, assim como Bottas. O holandês terminou em segundo, de forma improvável, e Valtteri salvou o que seria um domingo muito ruim para concluir a disputa em quinto lugar.

Toto Wolff avisou que não vai medir esforços para buscar novamente os dois títulos nesta temporada, bastante acirrada, na luta contra a Red Bull e Verstappen.

“Em poucas palavras, só precisamos seguir sendo muito agressivos na forma como abordamos esta temporada, não ser defensivos, mas apenas seguir em frente com o objetivo de marcar muitos pontos. Até porque nem nós, nem os outros somos tão bons em pontuar ao máximo no momento”, admitiu.

Toto Wolff promete ser agressivo até o fim na luta contra a Red Bull de Christian Horner (Foto: LAT Images/Mercedes)

Curiosamente, nenhuma das duas equipes protagonistas da temporada chegou a fazer dobradinha na Fórmula 1. A Mercedes registrou vitória com Hamilton e Bottas em terceiro em quatro oportunidades neste ano, enquanto a Red Bull foi ao pódio com seus dois pilotos numa mesma corrida em apenas uma oportunidade, no GP da França, com Verstappen em primeiro e Sergio Pérez em terceiro. Apenas a McLaren, no GP da Itália, marcou 1-2 com Daniel Ricciarddo no topo e Lando Norris em segundo.

Quando perguntado se as próximas corridas serão em pistas teoricamente mais favoráveis à Mercedes, o dirigente listou alguns circuitos, mas disse que não pretende pensar muito no assunto por conta de uma temporada bastante incomum por conta das mudanças sutis no regulamento para a aerodinâmica dos carros.

“Parei de tentar antecipar se historicamente uma corrida é mais forte para nós porque, em razão das novas regras, tudo muda, mudou muito. Definitivamente, sabíamos que Monza e Sóchi eram mais afeitas a nós. E a realidade é que estamos onde estamos, e essa é a diferença de pontos, duvido que qualquer uma das duas equipes vai oscilar tanto, para cima ou para baixo. Agora é simplesmente seguir fazendo o melhor trabalho possível”, disse.

“Acho que a Turquia é uma pista boa para nós. E Austin, também. Então, vamos ter mais dificuldades no México, que é nosso Calcanhar de Aquiles todo ano. Vai ser um grande vai e vem entre a Red Bull e nós e tem tudo para ser um grande desfecho no final”, concluiu.

Fonte: Grande Prêmio