Em plenário, deputado Jean Oliveira denuncia prejuízo causado pelo presidente da Emater

peixe-post-madeirao

Em plenário, deputado Jean Oliveira denuncia prejuízo causado pelo presidente da Emater

peixe-post-madeirao
jean oliveira

O deputado Jean Oliveira (MDB) afirmou, em sessão plenária na tarde desta quarta-feira (30), que apesar de estar há 12 anos na Assembleia Legislativa não consegue entender determinadas atitudes, como a do presidente da Emater, Luciano Brandão. O parlamentar afirmou que Brandão não só prejudicou a Emater no Cone Sul, como agora “criou caso”, obstruindo a vinda de um projeto para a Casa de Leis.
Jean Oliveira lembrou que Luciano Brandão retirou a regional da Emater de Colorado do Oeste, passando-a para Vilhena.
“Não existe justificativa plausível que possa dar respaldo a essa retirada. Vilhena é um município conhecido pela fortaleza do agronegócio, plantações de soja e grandes fazendeiros, mas a Emater nasceu para atender o pequeno produtor, o que utiliza mão-de-obra de sua família”, acrescentou.
Conforme o deputado, é inadmissível levar a Emater para as grandes fazendas, enquanto Colorado do Oeste está no centro do Cone Sul.
“Foi preciso meses para convencer o Governo a enviar para a Assembleia Legislativa um projeto retornando a regional, mas agora Luciano Brandão obstruiu o projeto, prejudicando a retomada da regional”, acrescentou.
De acordo com o parlamentar, o presidente da Emater “botou o pé dele em cima da criação da regional”, impedindo que a Assembleia pudesse restabelecer a estrutura que já existia em Colorado.
“Ele vai sair para ser candidato. Quero ver Luciano Brandão andando em Cabixi, Cerejeiras e Chupinguaia para dar explicações aos produtores. Foi difícil convencer o chefe da Casa Civil, e depois o presidente da Emater precisava concordar. Não concordou. Não consigo compreender por que ele fez isso”, prosseguiu Jean Oliveira.
Para o parlamentar, o pior é que Luciano Brandão já foi de Colorado do Oeste, por isso conhece o Cone Sul.
“Se fez em conluio com o secretário de Estado da Agricultura, Evandro Padovani, ele errou. Tiraram a regional por conta de uma rixa política com um único servidor da Emater. São tão cegos e pequenos, que devido a um único servidor que não comunga com a ideologia política deles, tiraram a regional”, acrescentou o deputado.
Segundo Jean Oliveira, o secretário Evandro Padovani é bom para fazer festival de implementos agrícolas votados por pela Casa, comprados com dinheiro de produtor de leite.
“Na hora de pedir o voto aqui, ligam para o deputado pedindo ajuda, e na hora de fazer a festa não se lembram de convidar o deputado. Isso é tolerável, faz parte da política. Uma política ruim. Mas tem coisa que não é possível compreender, como essa atitude do Luciano. Gostaria que essa política que ele tem com o secretário da Agricultura fosse para defender o pequeno produtor”, disse o parlamentar.

Gado
O deputado Jean Oliveira também tratou do preço pago pelos frigoríficos aos produtores de Rondônia. Ele citou os gastos das famílias do campo, como os mil reais pagos por uma bola de arame e o custo para produzir mais sem cometer o crime de desmatamento.
“A arroba do boi tinha subido e conseguimos que a pecuária fosse um negócio rentável, mas, como os produtores de leite, os pecuaristas caíram no golpe das grandes indústrias, que recebem incentivos. Há diferença de preço por arroba de R$ 70,00 em relação a outros Estados”, explicou o parlamentar.
De acordo com Jean Oliveira, o governador foi sensato, encaminhou a tarefa ao secretário de Estado da Fazenda, Luís Fernando, que está na reunião do Conselho Nacional de Política Fazendária para tratar desse problema.
“A negociação que está tendo no Confaz é para que a base de cálculo do bovino vivo negociado para fora do Estado seja 80% abaixo do que é. Estaríamos baixando o imposto para que o produtor rural venda o boi vivo em São Paulo ou no Paraná, como ele achar melhor, porque os frigoríficos de Rondônia não estão valorizando o pecuarista”, detalhou.
O deputado Jean Oliveira lembrou que o Frigorífico JBS paga 70 reais a mais em São Paulo do que em Rondônia, sendo que o dono é o mesmo.
“O JBS negociou até a alma no BNDES para ter o que tem, por isso precisa manter as plantas frigoríficas. Os empregos serão mantidos. O que precisa é manter em São Paulo o preço de 15 reais a menos do que em Rondônia”, finalizou o parlamentar.