Ellen Cristine solta a voz na web em lives que anunciam seu CD autoral

peixe-post-madeirao

Ellen Cristine solta a voz na web em lives que anunciam seu CD autoral

peixe-post-madeirao
ELLENSONORA - cópia

Eduarda Dejan

Nascida e criada em Porto Velho, Ellen Cristine afirma com entusiasmo ser filha da terra. A formação acadêmica é em arquitetura, mas a vocação mesmo é a música. O canto está nas veias da artista que há mais de 10 anos embala noites da Capital com melodias de outros artistas. Agora, com o auxílio da Lei Aldir Blanc, a cantora e compositora lança seu primeiro álbum e conta com exclusividade ao Madeirão os seus anseios e inspirações em um dos momentos mais importantes da sua vida.

O contato com a música vem do berço. Ela lembra com afeto as canções compostas pela avó, sempre presentes nas festas em família. A intenção nunca foi entrar no círculo musical, mas diz que tudo aconteceu naturalmente: “Descobri o talento por acaso. Eu sempre gostei de ouvir muita música, mas nunca achei que cantar era algo para mim. Quando meu pai me viu cantando, me presenteou com um violão, que tenho até hoje, desde então cantar e compor tem sido um vício e uma paixão”.

Abstrato e concreto

A composição sempre foi um hobby para Ellen, que encontrava nisso, uma forma de externar sentimentos e momentos. “Escuto músicas dos mais variados estilos, mas as minhas maiores influências são artistas que permeiam mais a música popular brasileira, como Zé Ramalho, Cássia Eller, Ana Carolina, Marisa monte e outros”, recorda. 

Ellen descreve empolgada a sensação de materializar e compartilhar algo que antes era tão utópico: “Indescritível!!! Participar da produção de cada música traz um mix de emoções. Ver ela saindo do papel e tomando forma, isso emociona demais. Escutar todo o trabalho pronto ao fim de tudo, faz entender que todo o processo lento é necessário para a produção final”.

A lei Aldir Blanc, com a qual a cantora conseguiu apoio para produzir seu trabalho, prevê auxílio para os artistas durante o atual momento de pandemia. A lei foi regulamentada pelo Presidente Jair Bolsonaro, justamente para apoia-los, já que esta foi uma das áreas mais afetada pelas medidas de distanciamento social. 

O benefício que também se destina a espaços culturais, veio como uma mão na roda para Ellen, que antes só se limitava a Porto Velho. Agora a cantora ganha a chance de até mesmo  mostrar seu trabalho mundo afora. “Eu recebi no final do ano de 2020 o incentivo do Governo Federal, através da Lei Aldir Blanc, então comecei a gravar o meu CD. São 12 músicas autorais que gravei no início deste ano. E ao longo de abril também vou realizar três lives, para as quais também fui contemplada pela Lei Aldir Blanc. A primeira será nesta sexta-feira (9), às 20h30, pelo meu canal do Youtube”,  avisa.

A conquista

Há tanto tempo nos palcos, a memória já não é mais tão vívida como na primeira vez em que ficou de fato sob os holofotes, mas Ellen sabe dizer com exatidão quais foram os momentos mais memoráveis: “Sempre fiquei muito nervosa pra cantar e eu acho que isso faz parte da arte. Minhas principais experiências foram nos eventos: Canta Mulher, Mostra Sesc de música e um show inteiramente autoral, no Sesc Esplanada”.

Agora o seu maior desejo é que todas as 12 músicas do álbum Além do Que se Vê seja sentido, vivido e experimentado pelo público: “Meu maior sonho como cantora e criar uma conexão e identificação musical com o público, seja por um sentimento de solidão, amor ou alegria”.

O álbum está sendo gravado durante este mês, o que tem deixado os dias de Ellen muito agitados. Tudo isso tem dado um gostinho de como é a vida de quem vive exclusivamente da arte. O lançamento do álbum se dará entre o fim de abril e início de maio, e, enquanto Rondônia espera para gingar no compasso do  talento da bela cantora, Ellen fará lives para o público. 

Para não esquecer, a live é nesta sexta-feira (9), às 20h30, pelo canal do youtube da artista. Veja abaixo clipe exclusivo para o público do Madeirão: