Cosme e Damião: De forma lúdica, brinquedoteca ajuda na recuperação de pacientes e facilita tratamento das crianças

peixe-post-madeirao

Cosme e Damião: De forma lúdica, brinquedoteca ajuda na recuperação de pacientes e facilita tratamento das crianças

peixe-post-madeirao
brinquedo cosme e damiao

Pelo menos 100 crianças, pacientes internos e que ficam apenas em observação, utilizam por dia a brinquedoteca do Hospital Infantil Cosme e Damião (HICD), em Porto Velho, unidade de Saúde referência no atendimento infantil de alta complexidade em Rondônia. Em média, estima-se que o número de crianças atendidas pelo setor gire em torno de três mil ao mês.

Os números são confirmados pelas estatísticas da Secretaria Estadual de Saúde (Sesau). No total, quatro brinquedistas atuam no setor. As atividades são acompanhadas por psicólogos, diz Maria Dionísio da Silva, coordenadora da brinquedoteca do Cosme e Damião.

O psicólogo João Selhorst destaca a importância do ambiente harmônico na recuperação das crianças. “As crianças têm o local como uma espécie de refúgio. Lá, elas brincas, ouvem estorinhas, trocam experiências com outras crianças, e esquecem dos traumas causados por estar em um hospital, em muitos casos, há meses. Isso revigora e amplia a resposta ao tratamento”, relata o psicólogo.

Segundo o diretor ajunto do Cosme e Damião, Sérgio Pereira, a brinquedoteca deve sempre priorizar a recuperação rápida das crianças através de suas atividades e brincadeiras, contando com uma equipe multidisciplinar. A equipe realiza inúmeros trabalhos para dinamizar a recuperação das diversas patologias encontradas na saúde.

Preparada

De acordo com a coordenadora da brinquedoteca, a criança gosta da atenção que ela recebe. “Nós fazemos um trabalho, que conta com uma equipe preparada e que está disposta a favorecer o desenvolvimento destes pequenos”, relata.

O. M, de apenas 4 anos, fica sempre animado quando é avisado que terá médico no Cosme e Damião. Para a mãe, a administradora Maria Neves, a diversidade de brinquedos, torna a ida ao médico sempre uma “aventura”, uma diversão, afirma.

Espaço

A acadêmica do curso de direito, Ketlem Lima elogia o espaço. Ela acompanhou o filho em uma consulta e a criança ficou calma, sem receio de esperar pelo médico durante todo o tempo que ficou na brinquedoteca.

Sérgio Pereira  elogia a realização de atividades lúdicas, como a nova brinquedoteca do Cosme e Damião. Para ele, a internação hospitalar é vista pela criança como desagradável. É uma experiência acompanhada de dor, ansiedade, medo, além de sensações de abandono e culpa. A brincadeira é a maneira mais autêntica pela qual a criança expressa e elabora suas vivências, ajudando, de forma natural, em sua recuperação.

Os momentos de brincadeiras agem como promotores de bem-estar físico, emocional e amenizador dos traumas gerados pela doença e do processo de hospitalização, assim como possibilita a continuidade do desenvolvimento da criança. As atividades oferecidas abrangem situações lúdicas como jogos, desenhos, fantoches, entre outros, avalia o diretor.