Governo comemora aumento da representatividade feminina na política

peixe-post-madeirao

Governo comemora aumento da representatividade feminina na política

peixe-post-madeirao
mulher-na-politica

A partir de janeiro, as Câmaras Municipais e as Prefeituras do país passarão a contar com mais mulheres à frente da tomada de decisões locais. O aumento da representatividade feminina é comemorado pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), responsável pela campanha + Mais Mulheres na Política. O movimento incentivou os eleitores a elegerem pelo menos uma mulher em cada município durante as Eleições de 2020. Saiba mais (lincar aqui o texto que fala sobre o + Mais Mulheres na Política).

“O resultado das eleições representa um avanço, a despeito das dificuldades enfrentadas em um ano que sofremos com a pandemia”, avalia a secretária nacional de políticas para as mulheres, Cristiane Britto

De acordo com os dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o aumento do número de vereadoras eleitas foi de 19,2%. Neste ano, 16,1% dos candidatos escolhidos pelo eleitorado foram mulheres. Já em 2016, o índice foi de 13,5 %.

Considerando os termos percentuais, os estados do Rio Grande do Norte e do Acre se destacaram com 21,9% e 21,2%, respectivamente.

A quantidade de candidaturas femininas para esse cargo também foi bem maior em 2020. Houve um aumento relativo de 7,1% no número de mulheres que almejavam se tornar vereadoras em relação à última eleição. No processo eleitoral de 2016, elas representaram 32,5% do total e, agora, 34,8%.

Já na eleição para prefeitas, a quantidade de mulheres eleitas foi 4,4% maior do que a registrada no pleito anterior. Em 2016, 11,5% das cadeiras foram ocupadas por mulheres e neste ano, 12%.

O Acre e o Mato Grosso do Sul foram os estados com maior crescimento relativo no número de mulheres eleitas prefeitas em 2020, no comparativo com 2016. Eles tiveram um aumento relativo de 50,1% e 40%, respectivamente.

Já os estados com maior percentual de mulheres eleitas prefeitas foram: Roraima, com 26,7%, e o Rio Grande do Norte, com 22,4%.

Em relação ao número de candidaturas, o aumento relativo foi de 2,5% em relação a 2016. Naquela época, elas representaram 13,1% do total de candidaturas. Em 2020, por sua vez, elas corresponderam a 13,4%.

A escolha do eleitorado também refletiu na redução do número de municípios brasileiros que não elegeram nenhuma vereadora. A queda foi de aproximadamente 32%. Em 2020, 17% dos municípios brasileiros não elegeram mulheres para as Câmaras Municipais. Em 2016, esse índice foi de 23,3%.

Na região Centro-Oeste essa redução foi de 44,8% e no Sudeste o índice caiu aproximadamente 30,7%. O Sul é a região com o menor percentual de municípios sem mulheres eleitas vereadoras com 15,3%. A média nacional é de 17%.

Para a Secretara Nacional de Políticas para as Mulheres (SNPM), o resultado das urnas recompensou o trabalho realizado em todo o Brasil.

“Seguiremos com o projeto + Mulheres na Política para apoiar as mulheres que irão exercer seus mandatos eletivos junto aos municípios e para viabilizar novas candidaturas nos próximos pleitos eleitorais”, afirmou Britto.