Agevisa comemora 10 anos de programa criado para reduzir danos ao paciente nos serviços de saúde

peixe-post-madeirao-48x48

Agevisa comemora 10 anos de programa criado para reduzir danos ao paciente nos serviços de saúde

peixe-post-madeirao

A partir de quarta-feira (13), as Coordenações de Segurança do Paciente e Controle de Infeção Hospitalar da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) realizam dois eventos simultâneos no Teatro Guaporé, em comemoração aos 10 anos do Programa Nacional de Segurança do Paciente no Brasil. Na ocasião, vão ser realizados o X Encontro Estadual de Segurança do Paciente e o VI Encontro Estadual de Controle de Infecção. O evento segue até sexta-feira (15), com vasta programação.

O Programa Nacional de Segurança do Paciente – PNSP foi instituído pelo Ministério da Saúde – MS em 2013, mediante Portaria nº 529, de 1º de abril, com o objetivo de criar um programa de contribuição para a qualificação do cuidado em saúde em todos os estabelecimentos de saúde.

Comunicação

O pilar do PNSP apresenta seis metas de segurança do paciente: identificar corretamente o paciente; melhorar a comunicação entre os profissionais de saúde; melhorar a segurança na prescrição, no uso e na administração de medicamentos; assegurar cirurgia em local de intervenção, procedimento e paciente corretos; higienizar as mãos para evitar infecções e reduzir o risco de quedas e úlceras por pressão.

O governador Marcos Rocha destacou que, “trabalhamos para oferecer cada vez mais serviços dignos e de melhor qualidade para nossa população, especialmente aos usuários da saúde pública. Esse evento é muito importante para que possamos aprimorar nossa prestação de serviços”. 

Implementação

O PNSP tem promovido a implementação de ações de segurança do paciente em todos os serviços de saúde, públicos e privados. De acordo com o diretor-geral da Agevisa, Gilvander Gregório de Lima, após a criação do programa, “houve uma melhora significativa nos indicadores de segurança do paciente, como a redução das taxas de infecção hospitalar e das de mortalidade por eventos adversos”, salientou o diretor-geral.