Browse By

Ardida como Pimenta: MDB em estado de guerra?

O recado foi dado pelo presidente do MDB (Romero Jucá) ao pré-candidato Henrique Meirelles, que o comunicou da decisão da Executiva Nacional em não financiar sua “aventura política”. Parte da Executiva do partido não acredita que Meirelles consiga algum êxito, após a primeira pesquisa IBOPE contratada pelo Jornal O Globo na última semana. Meirelles tem condições de bancar sua própria candidatura, afirmou Romero Jucá.
A executiva nacional do partido vai repassar R$ 234 milhões – parcela a que tem direito do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) – apenas para deputados federais (R$ 1,5 milhão cada) e senadores (R$ 2 milhões) em busca de reeleição e aos diretórios estaduais, além dos 30% a candidatas mulheres, uma obrigação legal.
Com a decisão, os candidatos a governador, inclusive quem busca a reeleição, terão de pleitear recursos públicos do fundo eleitoral por escrito junto aos diretórios regionais. Serão distribuídos R$ 54 milhões aos diretórios. Houve protesto por parte de dirigentes de Estados em que o MDB disputará o governo.
Jucá negou que, ao deixar Meirelles sem recursos públicos, o partido indique falta de apoio à candidatura do ex-ministro da Fazenda. A campanha presidencial tem limite de gastos e arrecadação de R$ 70 milhões no primeiro turno. “Ao contrário, é um sinal de que a gente acredita na candidatura do Meirelles, porque ele tem condições de bancar sua própria candidatura”. É certo que o MDB está literalmente sem candidato, apostando alguns numa candidatura que nasceu sepultada.

PROBLEMAS PELA FRENTE
Renato Martins Mimessi, desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia, marcou sessão da corte para o dia 10 de julho de 2018 objetivando julgar o processo de número 0000582-95.2011.822.001, tendo como apelante o deputado estadual Laerte Gomes (PSDB), que foi condenado no dia 31 de julho de 2013, pela juíza substituta, à época, Dra, Ligiane Zigiotto Bender, da comarca de Alvorada D´Oeste, a ressarcir ao erário a importância de R$ 292.946,93 (duzentos e noventa e dois mil, novecentos e quarenta e seis reais e noventa e três centavos), a título de ressarcimento dos danos, valor acrescido de juros e correção monetária desde a data do efetivo prejuízo e à suspensão dos direitos políticos pelo prazo de cinco (5) anos. Se confirmada a condenação, Laerte Gomes poderá ter muitos problemas pela frente.

PACTO MÚTUO
Por que não uma união de Mauro de Carvalho (MDB) com Acir Gurgacz (PDT)? Com a notícia espalhada na imprensa sobre tempos ruins que estão passando o partido de Meirelles-Temer, não seria nada mau um pacto mútuo entre os dois candidatos que aparecem bem cotados na pesquisa estadual ao governo. Com essa união, todos ganhariam no final. Não se pode perder musculatura e energia, caso contrário a “turma do contra” fica soltinha demais…

DÚVIDA
A disputa dos presidenciáveis por apoio eleitoral deixou o DEM dividido entre um bloco que defende o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) e outro que prega uma aliança com o ex-ministro Ciro Gomes(PDT). De um lado está a bancada de 43 deputados, que é majoritariamente pró-Alckmin, e do outro, a executiva do DEM e lideranças regionais do Nordeste, que apoiam Ciro. O certo é que o califado do DEM mais antigo, como Agripino Maia, preferem Ciro à Alckmin.

CERTEZA
O deputado Hermínio Coelho (PC do B) vem sendo provocado a disputar uma vaga na Câmara Federal. Hermínio tem robustez, devido a sua brilhante atuação no Parlamento Estadual, a consagrar-se parlamentar federal. Porém creio que na Assembleia Legislativa a atuação do nobre parlamentar é muito mais precisa e segura para nós rondonienses, sedentos de representatividade.