Browse By

Polícia prende homens que aplicavam golpes fraudando saque do FGTS

oliciais do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (GAECO) prenderam na terça-feira (15/9), em Ipatinga, dois homens que aplicavam golpes contra pessoas que tinham direito a receber o auxílio do governo federal relacionado ao período da pandemia do novo coronavírus. A polícia chegou até aos homens depois de receber denúncias sobre os golpes e sobre a localização dos golpistas, que estavam hospedados em um hotel no Bairro Iguaçu.

A abordagem aos homens foi feita com autorização da judicial. De posse do mandado de busca e apreensão, os policiais foram ao hotel e, além de prender os homens, encontraram cerca de R$ 23 mil em espécie, roupas, bebidas e aparelhos celulares e chips de operadoras de telefonia.

O comando da operação informou que os homens confessaram a origem do dinheiro e das mercadorias, compradas com o dinheiro obtido nos golpes que aplicavam.

Eles disseram à polícia que conheceram uma pessoa na rede social WhatsApp com a qual obtinham informações sobre pessoas que tinham direito ao saque emergencial de R$ 1.045,00 relativos ao FGTS. A fonte passava aos homens os números de CPF dos beneficiários e recebia R$ 100 a cada informação. Como passava sempre 10 números por vez, recebia R$ 1.000.

Com os números de CPF, os golpistas usavam aparelhos celulares com números de telefones distintos, recolhiam as informações iniciais e baixavam o aplicativo “Caixa Tem”, da CAIXA, pagadora do benefício. Os homens se passavam pelos titulares das contas do FGTS, recebendo senha e contrassenha enviada por SMS pelo sistema da CAIXA. Assim, faziam os saques.

Isso explicou a apreensão dos aparelhos celulares e de 38 chips de uma operadora de telefonia que estavam com os homens no quarto de hotel. Os chips que eram usados nos golpes eram descartados. Os homens estavam hospedados no hotel desde o dia 10/9 e saíam com frequência pela cidade para fazer compras.

Os presos foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Federal de Governador Valadares. Segundo o delegado Cristiano Campidelli, os homens foram ouvidos na manhã desta quarta (16) e como não havia situação flagrancial, um deles foi liberado. O outro foi preso, pois havia contra ele um mandado de prisão em aberto.
Fonte Estado de Minas Gerais